Dicas para planejar a cozinha de seu restaurante


 
Hora de começar a reforma e pensar no layout do coração do seu restaurante: a cozinha. Com planejamento adequado e a real percepção do espaço disponível dá para deixar o processo menos estressante. Separamos algumas dicas importantes para o serviço não virar um caos e ter funcionalidade garantida, de acordo com a proposta do seu empreendimento!
 
Verifique a dimensão real do restaurante e o número de mesas que irá servir. Não adianta construir uma cozinha pequena, se a intenção é ter espaço para um número grande de mesas. Se a estrutura do empreendimento não permite a construção de uma cozinha grande, repense o número de assentos disponíveis. Isso vai refletir na eficiência do serviço!
 
Na hora de escolher os materiais, como equipamentos, pisos e balcões, lembre-se que eles precisam durar muitos anos. A cozinha do restaurante não é parecida com a residencial. Armários e estruturas em madeira são proibidos.
 
A divisão de praças será estabelecida de acordo com o cardápio e os tipos de pratos servidos no restaurante. Isso é fundamental para definir a estrutura da cozinha e determinar todos os equipamentos necessários. No geral, ao menos duas áreas precisam estar divididas: uma para a produção de pratos quentes e outra para os pratos frios. Se o espaço e o cardápio permitirem a configuração de mais praças, separe uma área para confecção das sobremesas, outra para o preparo de pães, outra para a chapa de carnes, churrasqueira e até um espaço exclusivo para os processos de fritura.
 
Os alimentos precisam seguir uma sequência, chamada de fluxo de cozinha: entrada, preparação, produção, finalização, serviço e descarte. Assim que entra no restaurante, o produto passa pela área de recebimento e controle (onde os produtos são checados e higienizados) e depois segue para o estoque. Na preparação, finalização e saída, a ordem das praças e a disposição dos equipamentos devem facilitar esse fluxo e impedir que as preparações se cruzem durante o trajeto.
 
Importante: evite o cruzamento de fluxos entre áreas sujas e limpas. O fluxo das áreas de recebimento de mercadorias, pré-preparo, higienização e corte de carnes, por exemplo, não devem se encontrar com o fluxo da área de preparo dos alimentos. Se a sua cozinha for muito pequena, muito cuidado com a higiene. Se você só tiver espaço para uma pia e uma bancada, manipule primeiro os alimentos crus, lave tudo com água e sabão ou solução clorada e só depois utilize o espaço para os alimentos cozidos. Outro ponto importante é evitar que a saída de lixo se dê pelo mesmo caminho por onde ocorre a recepção de produtos para o seu restaurante.  
 
A área de cocção é um dos espaços mais importantes da cozinha. É lá que os alimentos serão finalizados e onde há grande variedade de equipamentos. A cozinha de pequeno porte não precisa ter uma infinidade de aparelhos. Isso atrapalha a circulação das pessoas e entrava o serviço. Um fogão industrial, uma chapa, um forno de bancada e uma fritadeira já podem dar conta do recado.
 
Os pisos devem ser frios, como os de cerâmica, sem desenhos, antiderrapantes, com cores neutras, rejuntes adequados e resistência a alto tráfego e impactos. Essas características facilitam a identificação e a limpeza de sujeiras e evitam acidentes na cozinha. E observe cuidadosamente a disposição de pontos de água e ralos na cozinha. Isso facilita o trabalho de limpeza e higienização.
 
Há diversos arquitetos e engenheiros especializados em cozinhas para restaurantes. Procure a ajuda de profissionais para elaborar seu projeto com cuidado e garantir que o local seja seguro, facilite o trabalho e tenha fácil higienização. Procure a agência de vigilância sanitária e conheça todos os pré-requisitos para a construção e organização da cozinha do seu restaurante.

Fonte: 
http://www.unileverfoodsolutions.com.br/
 

Veja também: 
O que são coifas?
O que é um cooktop?
8 grandes motivos para obter uma adega climatizada
Conheça vantagens e desvantagens entre fogões e cooktops